O que procura em "O PIRAQUARENSE"

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Mulher morta Piraquara: criança vê execução de pai e mãe num intervalo de 6 meses

A MULHER FOI MORTA EM PIRAQUARA
 DENTRO DA PRÓPRIA CASA.
(FOTO: REPRODUÇÃO/RICTV)
Uma mulher foi morta em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), na madrugada desta quinta-feira (20), quando quatro indivíduos que se identificaram como policiais bateram no portão da casa da vítima e entraram atirando. Lucinéia Souza, de 20 anos, foi assassinada na frente do filho, de 4 anos.

Um amigo que também morava no local com a esposa foi executado com um tiro na cabeça enquanto segurava o filho recém-nascido no colo.“Chegaram em quatro encapuzados, se identificando como policiais, foi aberto a porta e eles já entraram executando”, explicou Job Freitas, superintendente da Polícia Civil de Piraquara.

Mulher morta em Piraquara era testemunha de outro assassinato

O crime desta quarta, aconteceu menos de 6 meses depois do marido de Lucinéia, Michael Roberto Gomes de Souza, de 28 anos, também ser assassinado na frente da criança. Na ocasião, o casal, o filho e a mãe de Michael estavam dentro de um veículo e chegavam para participar de uma festa em São José dos Pinhais, também na RMC, quando foram surpreendidos pelos atiradores.  “Eu vi ele matando meu filho, e meu neto de 4 anos já tinha descido do carro gritando ‘papai, papai”, contou a sogra da jovem morta em Piraquara.

Na época, ela chegou a conversar com a equipe da RIC Record TV | Curitiba e disse aos prantos que não se conformava com o fato do marido ter sido morto por um amigo.“O bem mais precioso que eu tinha na minha vida eu dei para ele batizar, era para ser o segundo pai do meu filho. Não entra na minha cabeça. Eles têm filho também. O que passou na cabeça desses caras tirar a vida do meu marido. Meu filho pergunta todo dia ‘cadê meu pai?’”, declarou a mulher que agora foi morta em Piraquara.

De acordo com as investigações, os três teriam envolvimento com atividades ilícitas e teria se desentendido em certo momento. “A vítima detinha já antecedentes criminais. Esses autores eram pessoas extremamente perigosas: envolvidas com roubos, associação criminosa, receptação de veículos. Possivelmente, ocorreu um desacerto entre eles”, pontuou o delegado responsável pelo caso no dia das prisões.

Ameaças culminaram na morte de mulher em Piraquara

Após a prisão dos suspeitos, conform e a sogra da mulher morta em Piraquara, as duas passaram a ser ameaçada de morte – por bilhetes e telefonemas. “Os dois continuam ameaçando de dentro da prisão. Vieram aqui na minha casa, deram um monte de tiro faz duas semanas. Eu fiz um boletim de ocorrência e nada aconteceu”, contou na manhã desta quarta.

Mesmo sob ameaças, a família de Michael vendeu único bem que possuía – um terreno com um sobrado em Piraquara – para ter dinheiro e contratar um advogado para ajudar na denúncia contra Everton e José.


A mulher que viu o filho e a nora serem mortos, agora, acredita ser a próxima vítima. “Eu tenho um neto pra cuidar, eu tenho duas filhas de 11 anos que precisam de mim. Eu vejo um carro e já tenho medo, eu sei que eles vão vir me matar. Eles só querem eu agora para acabar com isso.


Fonte RIC mais



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opnião