O que procura em "O PIRAQUARENSE"

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Em Piraquara Polícia ouve marido de Aline, jovem encontrada morta perto de Colônia Penal Agrícola

A Polícia Civil de Piraquara segue com as investigações da morte da terapeuta ocupacional Aline Miotto Nadolny, de 27 anos, encontrada morta por esganadura na tarde de 6 de junho, ao lado da Colônia Penal Agrícola. De acordo com as informações do Superintendente Job de Freitas, durante o fim de semana a polícia trabalhou no caso, tendo ouvido o marido da vítima e recolhido materiais que podem colaborar com a elucidação do crime.

O companheiro de Aline foi ouvido por três horas e meia na tarde de sábado (8). “Ele retornou de Santa Catarina, onde aconteceu o sepultamento da esposa, e se dispôs a conversar com a polícia para relatar detalhes da rotina de Aline, horários e até o caminho que ela percorria”, disse o superintendente. Após a conversa, a polícia seguiu com o marido até a casa do casal, no bairro Alto da XV, em Curitiba, onde foi recolhido um notebook e acessórios do telefone celular da vítima. “O notebook foi usado pelo marido para rastrear o celular dela e, então, vamos periciar e tentar descobrir mais informações”, explicou.

Freitas contou ainda que a polícia busca novas imagens de câmeras de segurança nas proximidades da casa da vítima e investiga um carro de cor branca, que apesar de não mostrar Aline entrando no veículo, levantou suspeita de participação no caso. “As imagens mostram o carro parando próximo ao prédio cerca de três minutos antes de Aline sair para o trabalho. Também apontam que ao invés de ela seguir pelo caminho habitual, ela segue pelo outro lado. O carro então desce pela rua”, contou. “Existe a possibilidade de ela ter entrado neste carro, já que o celular antes de ser desligado, aponta que ela estava a 10 quadras de distância do prédio, isso cerca de 5 a 7 minutos depois de ter saído a pé”.

Ainda durante a conversa com o marido de Aline e diante das imagens, a polícia constatou que a mulher saiu com duas bolsas, que não foram encontradas. “Pode se configurar um latrocínio, por exemplo, já que as bolsas não foram localizadas e nem o celular. Não tem nada definido ainda”, comentou Freitas.

A polícia busca novas imagens da região para tentar confirmar se Aline entrou realmente no veículo branco e também identificar o carro e o proprietário. “Nós já solicitamos formalmente as imagens”.

Investigações: Polícia espera que depoimento de marido de Aline ajude a esclarecer assassinato

Trabalho

O Superintendente ainda comentou a informação que, segundo ele, foi divulgada pelo marido da vítima para a polícia, ainda no Instituto Médico Legal (IML), sobre o fato de Aline trabalhar na Colônia Penal Agrícola. De acordo com Freitas, durante a faculdade Aline teria feito estágio por um curto período de tempo em algum órgão penitenciário, mas não trabalhou na CPA. “Até por estas questões foi importante ouvir formalmente o marido”, disse.

Aline, na realidade, trabalhava em uma escola de educação especial e foi apontada pela direção como “excelente profissional”.

Fonte  Massa News - Viviane Nonato | Piraquara | Publicado em 10 de junho de 2019 | 09h24

Conheça o conteúdo de O Piraquarense,  Comente e Curta. Divulgar suas noticias e eventos entre em contato






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opnião